Plus Size – Marca brasileira DelRio lança coleção de lingerie plus size

 

 

Foto 1 de 5 / Divulgação – Salvar fotoInvestindo em tamanhos enre 46 e 52, a marca brasileira DelRio lançou coleção de lingerie direcionada ao público plus size. Com foco na modelagem estruturada e modeladora, a linha tem sutiãs de alças mais largas e bojos firmes e calcinhas de cintura alta, detalhes de renda e recortes, passando por cores neutras, fortes e até animal print

Paradigmas – Sexo e as gordinhas

Nos dias de hoje, penso que esse assunto torna – se banal pelo fato de que tanto a TV quanto os outros veículos de comunicação abordam isso de uma maneira peculiar e ao mesmo tempo depreciativa aos valores que temos. Ainda atribuo a este assunto um carater forte, por se tratar de algo tão sútil que na sua essencia trata de intimidades entre nós, pessoas, quaisquer sejam as formas; os tamanhos e as suas preferencias, talvez essa linha de pensamento que sigo seja ultrapassada, por carregar valores de uma geração que preza muito o romantismo, a verdade, a sinceridade, etc.

 

Há muito preconceito com relação as gordinhas, isso é fato, as consideram doentes, incapazes de fazer muitas coisas, inclusive até de ter relações saudáveis com seus namorados, maridos. Pensamento esse que ainda perdura, e procura se manter ativo nessa sociedade, que ainda procura manter esse status de uma sociedade justa.

E de acordo com uma recente pesquisa do Congresso Americano de Obstetras e Ginecologistas divulgada pela msnbc, meninas acima do peso comum iniciam a vida sexual mais cedo, acumulam vários parceiros durante a adolescência e usam menos camisinha. Ainda segundo os pesquisadores da Carolina do Sul, as garotas obesas possuem quase três vezes mais chances do que as outras de começarem a fazer sexo com menos de 13 anos, e estão 30% mais propensas a ter múltiplos parceiros durante a adolescência.

Segundo o coordenador do projeto, Dr. Margaret Villers, os números obtidos pelo estudo foi capaz de surpreender até mesmo os próprios pesquisadores. “Nós não imaginávamos quão forte um fator como peso poderia ser”. Foram ouvidas 21,773 mil adolescentes em idade escolar nos Estados Unidos. Outro resultado alarmante foi de que as meninas demonstraram não ter a menor preocupação com as doenças sexualmente transmissíveis e quase não fazer uso de preservativos.
Uma das explicações para este comportamento seria a falta de autoestima das gordinhas. “Por não se sentirem atraentes, as garotas acima do peso tendem a usar o sexo para segurar os parceiros”, afirmou Lauren Chernick, pesquisadora em medicina pediátrica da Universidade de Columbia. Outra justificativa seria o fato destas meninas atingirem a puberdade mais cedo, o que poderia influenciar seus namorados a insistirem mais por sexo.

Vendo isto, considero a importancia de uma abordagem mais ampla sobre essas questões com as mulheres gordinhas, porque isso é uma das consequencias do preconceito da sociedade, apenas pelo fato de que são gordinhas, que são danosas em suas vidas.
Deve – se trabalhar desde criança essas questões, porque o que encontramos dia a dia é uma vulgaridade sem fim. Mulheres lindas, Plus Size, verdadeiras beldades, tendo que apelar a coisas fúteis, como por exemplo: fazer dietas malucas, entre outras coisas.

Uma das explicações para este comportamento seria a falta de autoestima das gordinhas. “Por não se sentirem atraentes, as garotas acima do peso tendem a usar o sexo para segurar os parceiros”, afirmou Lauren Chernick, pesquisadora em medicina pediátrica da Universidade de Columbia. Outra justificativa seria o fato destas meninas atingirem a puberdade mais cedo, o que poderia influenciar seus namorados a insistirem mais por sexo.

Vendo isto, considero a importancia de uma abordagem mais ampla sobre essas questões com as mulheres gordinhas, porque isso é uma das consequencias do preconceito da sociedade, apenas pelo fato de que são gordinhas, que são danosas em suas vidas.

Deve – se trabalhar desde criança essas questões, porque o que encontramos dia a dia é uma vulgaridade sem fim. Mulheres lindas, Plus Size, verdadeiras beldades, tendo que apelar a coisas fúteis, como por exemplo: fazer dietas malucas, entre outras coisas.

A nossa pequena homenagem ao dia dos pais parabens

Ser pai é acima de tudo, não esperar recompensas. Mas ficar feliz caso e quando cheguem. É saber fazer o necessário por cima e por dentro da incompreensão. É aprender a tolerância com os demais e exercitar a dura intolerância (mas compreensão) com os próprios erros. Ser pai é aprender errando, a hora de falar e de calar. É contentar-se em ser reserva, coadjuvante, deixado para depois. Mas jamais falar no momento preciso. É ter a coragem de ir adiante, tanto para a vida quanto para a morte. É viver as fraquezas que depois corrigirá no filho, fazendo-se forte em nome dele e de tudo o que terá de viver para compreender e enfrentar. Ser pai é aprender a ser contestado mesmo quando no auge da lucidez. É esperar. É saber que experiência só adianta para quem a tem, e só se tem vivendo. Portanto, é agüentar a dor de ver os filhos passarem pelos sofrimentos necessários, buscando protegê-los sem que percebam, para que consigam descobrir os próprios caminhos. Ser pai é saber e calar. Fazer e guardar. Dizer e não insistir. Falar e dizer. Dosar e controlar-se. Dirigir sem demonstrar. É ver dor, sofrimento, vício, queda e tocaia, jamais transferindo aos filhos o que, a alma, lhe corrói. Ser pai é ser bom sem ser fraco. É jamais transferir aos filhos a quota de sua imperfeição, o seu lado fraco, desvalido e órfão. Ser pai é aprender a ser ultrapassado, mesmo lutando para se renovar. É compreender sem demonstrar, e esperar o tempo de colher, ainda que não seja em vida. Ser pai é aprender a sufocar a necessidade de afago e compreensão. Mas ir às lágrimas quando chegam. Ser pai é saber ir-se apagando à medida em que mais nítido se faz na personalidade do filho, sempre como influência, jamais como imposição. É saber ser herói na infância, exemplo na juventude e amizade na idade adulta do filho. É saber brincar e zangar-se. É formar sem modelar, ajudar sem cobrar, ensinar sem o demonstrar, sofrer sem contagiar, amar sem receber.

Depoimento de um admirador de gordinhas

Bom, todos nós devemos amar as pessoas por aquilo que elas são e não por aparencia. Em meu caso, por exemplo, não que tivesse algumas paixonites por pessoas magras ou de boa forma física, ou melhor, como a sociedade considera como boa forma física.

Mas, foi com as mulheres gordinhas que tive os melhores relacionamentos em toda a minha vida, porque são pessoas que não dão a mínima importancia a coisas fúteis e são verdadeiras consigo mesmas e com as outras pessoas ao seu redor.

São mulheres maravilhosas, batalhadoras, aguerridas, mulheres que me causam uma grande admiração. Particularmente, namoro uma mulher gordinha, que por sinal é muito linda, de uma maneira completa, sem qualquer exagero, uma pessoa de muitas qualidades e que eu nutro um profundo sentimento por ela.

Uma guerreira, uma mulher de fibra e de coragem, uma pessoa que não tem medo de lutar por seus objetivos e que não tem medo de sentir… De buscar a realização dos sonhos dela. É  a minha inspiração.

 

O que dizer em algumas poucas palavras é que eu me sinto realizado em namorar uma mulher gordinha, porque é uma mulher verdadeira, uma mulher que não está nem ai para o preconceito e que se aceita da maneira como ela é.

Fernando Douglas

Um mundo que cada vez mais se rende a nossa beleza

Olá, mais uma vez estamos aqui para falar um pouco sobre o mundo Plus Size. Falar das mulheres reais, mulheres brasileiras, cheias de curvas, avantajadas, mulheres lindas e maravilhosas, guerreiras, que ao passar dos dias, dão um basta nos preconceitos.


Mães, amantes, namoradas, enfim, sejam elas solteiras ou não. Mas vim  aqui falar a respeito dessas mulheres reais, mulheres que, mesmo acima do peso fazem dança do ventre, praticam esportes, mães advogadas que tentam ganhar o pão de cada dia, tentam se encaixar nesse grande mercado de trabalho, mesmo cheio de preconceitos. Pelo simples fato de serem gordinhas, de estarem acima do padrão de beleza exigido por ele.


A cada dia que passa estamos vencendo, nos tornando cada vez mais vitoriosas, com muito batalha e determinação. Tenho orgulho de fazer parte desse mundo chamado Plus Size e por isso eu faço um apelo: Vamos abraçar a causa, dar um basta e chega de preconceitos, vamos à luta e dar uma bela surra no preconceito, pois, ao transcorrer dos dias estamos indo além, conquistando um mundo que até então era visto que o fato de ser  gordinha era uma doença.


Todas nós estamos de parabéns porque dia a dia estamos por ai, mostrando que somos aguerridas, superando todas as barreiras impostas por esta sociedade preconceituosa.

Pelo direito de ser gordinha! Jornalista plus size chama a atenção do mundo para suas curvas

Sueca Linda-Marie publicou foto usando biquíni e virou notícia em diversos pontos do planeta

Do R7
biquini-2012

Linda-Marie divulgou foto usando biquíni e chamou a atenção do mundo para o seu corpo plus size. O que você achou da iniciativa?

A jornalista Linda-Marie Nilsson jamais imaginaria que uma foto sua usando apenas biquíni poderia alça-la à condição de estrela ao redor do mundo. Pois foi isso o que aconteceu. O motivo? Sua “beleza real”.

Linda é sueca e faz parte do time de mulheres orgulhosas de seu tamanho plus size. No dia 25 de julho, ela postou em sua página no Facebook uma foto sua tirada na praia. O clique se espalhou de forma viral pela internet e a publicação já foi “curtida” por mais de 80 mil pessoas.

A plus size queria fazer uma homenagem as garotas mais cheinhas – já que, em geral, as mulheres que têm coragem de publicar fotos usando biquíni são magérrimas e estão dentro dos padrões internacionais de beleza.

Jornais de todo o mundo publicaram a história da sueca.

O que você achou da iniciativa de Linda-Marie?

fonte:r7.com

Um mundo que todos estão conhecendo

Muitas vezes nos sentimos mal pela situação de sermos muito julgadas, muitas vezes nós nos sentimos felizes pelo fato de que o mundo inteiro sabe que não existe mais um só tipo físico de corpo. Que existem crianças gordinhas, mulheres e homens gordinhos, que aprendemos nos amarmos assim como somos, do nosso jeito lindo, meigo e fofo de ser.

Fico feliz quando abro as revistas e vejo modelos gordinhas posando nua, gordinhas fazendo desfile de Lingerie, entre outras coisas. Somos lindas, amadas. Outra coisa que gostei de saber também é que hoje em dia os homens admitem que gostam de gordinhas, temos valor e estamos sendo valorizadas ainda mais.

 

Recado, não podemos mais nos sentirmos diferentes e sim nos sentirmos lindas, maravilhosas, privilegiadas em sermos gordinhas. Sermos gordinhas não é sermos doentes ou que temos doença, como muitas pessoas falam por aí, temos dignidade, trabalhamos, merecemos isso mais do que ninguém, somos felizes e bem humoradas, coisa linda demais é ser gordinha, nos amamos da forma que DEUS nos fez, perfeitas, isso sim é ser gordinhas isso sim é o mundo chamado GG.

Mundo plus size ganha força sem apologia à obesidade

Desfiles só com modelos gordinhas, confecções de números grandes renovadas, revistas especializadas, blogs e sites de moda para quem veste GG, calendário só com fotos de mulheres com curvas avantajadas e até campanha para que lojas coloquem em suas araras peças modernas com números acima do 46.

Reprodução
A top GG Tara Lynn na capa e no editorial de moda da Elle francesa

“Após toda a discriminação no mercado de moda e beleza, estamos mostrando que podemos nos sentir bem e bonitas”, afirma a professora de idiomas Sandra Ebener, autora do blog Mundo G +. Sandra, 39 anos, mãe de dois adolescentes, comemora essa onda, assim como muitas outras mulheres com manequins acima do 46, e que agora podem usufruir de uma moda que antes as renegava.

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), esse público já representa metade da população adulta do País: 48% das mulheres e 50% dos homens estão com peso acima do padrão recomendado para uma vida saudável. No entanto, todos os envolvidos diretamente na onda ”orgulho fat” ressaltam com veemência que ninguém quer fazer apologia da obesidade.

“A ideia é fazer com que essas pessoas passem a aceitar mais suas características e, ao mesmo tempo, adotem um estilo de vida saudável”, avisa o jornalista Jeff Benício, que, por meio da sua editora Haz, especializada em títulos corporativos, criou com seu sócio o projeto Mulheres Reais, um mix de eventos e publicações para promover a inclusão da mulher GG no universo da moda.

O primeiro passo foi o lançamento, no ano passado, de um guia de moda com looks específicos para quem tem curvas avantajadas. Na sequência, veio um calendário-pôster com quatro modelos plus size vestidas como pin-ups, editado também em 2011. “O projeto nasceu para chamar a atenção para essa consumidora, sempre ignorada pela mídia e pela indústria da moda que investe num padrão de magreza”, afirma Jeff.

Resgate da autoestima

Um nicho próspero para mo­delos gordinhas vem sendo a­berto no Brasil, mas nada que se compare aos Estados Unidos. Aqui, elas recebem menos do que as modelos magras e, muitas vezes, não encontram estrutura mínima para se produzirem. Para valorizar esse mercado (e os cachês), cinco modelos paulistanas se reuniram e formaram o grupo Top Five. São elas: Andrea Boschim, de 32 anos; Bianca Raya e Celina Lulai, de 28; Mayara Russi, de 22; e Simone de Fiuza, de 25.

Reprodução
A modelo brasileira Fluvia Lacerda: sucesso nos Estados Unidos

“Produzimos fotos e as divulgamos, para abrir os olhos das pessoas e mostrar que somos profissionais”, avisa a idealizadora do Top Five, Simone Fiuza. Ela trabalha como modelo há cinco anos, mas diz que o mercado despontou nos dois últimos anos. É uma das poucas modelos plus size que vive exclusivamente dos cachês.

Andrea Boschim, a mais velha das Top Five, está atuando também fora das passarelas. É uma das mentoras e organizadoras do Fashion Week Plus Size, uma espécie de versão rechonchuda da São Paulo Fashion Week. “O último evento se pagou, não sendo mais necessário tirar di­nheiro do próprio bolso”, conta Andrea, que aposta todas as fichas nesse segmento, junto com sua sócia Renata Poskus Vaz, autora do blog Mulherão.

Militância 

A publicitária Alcione Ribeiro, de 32 anos, autora do blog Poderosas Gordinhas, iniciou a campanha Por Tamanhos Maiores, para estimular os grandes magazines a colocarem em suas araras peças de nume­ração GG e EG (extra G). A partir de seu blog e via Twitter, ela iniciou uma discussão com suas leitoras sobre a dificuldade de comprar roupas em lojas de departamentos. Agora, quando conseguem encontrar uma peça bacana e de manequim grande, divulgam a foto do produto e a indicação do lugar.

Há duas revistas femininas mensais direcionadas para leitoras gordinhas. A primeira a surgir foi a Sem Medida, versão online de acesso gratuito, lançada pela Writers Editora em fevereiro de 2009. Um de seus idealizadores foi o jornalista Roberto Paes, que se inspirou na sua esposa. “Pensei em fazer a revista para mi­lhões de mulheres que, como ela, são vítimas de discriminação e preconceito.”

Evolução fashion

No exterior, muitos são os sinais de que o movimento plus size não é passageiro. Um fato inédito surgiu na Fashion Week de New York do Verão 2011: em um espaço paralelo, houve o primeiro desfile plus size.

Revistas internacionais não ficam atrás dessa onda. Em abril, a capa da Elle Paris estampou a top GG Tara Lynn. Nos EUA, a brasileira Fluvia Lacerda tornou-se uma das modelos mais re­quisitadas do país.

Causou um baita frisson a twittada de Robert Duffy, presidente da grife Marc Jacobs, que considerou a hipótese de desenvolver uma linha de roupas plus size.

Empresas do segmento se multiplicam. Mônica Angel, diretora de estilo da grife Palank, com 25 anos de existência e 11 lojas espalhadas por São Paulo, atesta essa mudança. “A e­vo­lução é mais da consumidora do que do mercado, porque agora essas mulheres querem estar na moda”, observa.

Já estilista Andreza Calil inaugurou em 2010 a primeira loja virtual plus size do País: a Wish Fashion. A proposta é garimpar os melhores produtos das marcas e vendê-los pela internet, além de dar dicas de moda.

fonte:bonde.com.br

Sensuais! Modelos gordinhas desfilam só de lingerie

Eduardo Enomoto/R7Eduardo Enomoto/R7

Foto 1 de 8Modelos Plus Size sabem muito bem valorizar suas curvas. Na última terça-feira (31), em São Paulo, 20 gordinhas – que vestem do manequim 44 ao 52 – desfilaram só de lingerie no evento Mulheres Reais.

Quer saber como são as curvas dessas mulheres GG? É só navegar pela galeria acima

Este slideshow necessita de JavaScript.

fonte:.r7.com